Veneza: labirinto de encantos

29 07 2009
saindo da estação de santa Júlia, em frente ao Gran Canalle.

saindo da estação de santa Júlia, em frente ao Gran Canalle.

Ciao!

Finalmente cheguei na Itália. desembarquei em Ancona e peguei logo um trem pra Veneza porque o tempo não para. e, apesar de estar preparado, não pude conter meu maxilar que foi parar no joelho quando sai da estação de trem de Santa Júlia, bem na beira do Gran Canalle.

Veneza é impressionante por todos os motivos. primeiro que é uma cidade unica em sua geografia. foi fundada quando os habitantes de Veneto, para fugir das invasões saxãs, começaram a se abrigar no pequeno arquipélago no adriático. então foi surgindo uma casinha aqui, outra acolá, uma pequena fortaleza e virou cidade com grande influencia cultural e comercial durante a idade media.

Mas o problema é que a cidade cresceu e virou um enorme labirinto onde facilmente um deslumbrado pode se perder. mas graças ao meu gps mental e a habilidade de interpretar mapas, não me perdi. e quando digo labirinto me refiro a ruelas da largura do meu ombro, 117 ilhotas cortadas por 150 canais e 400 pontes que as unem, tá bom?

E o que chama atenção é o preço de tudo, absurdamente caro. por isso escolhi ficar uma noite somente e aproveitar ao máximo. então, com o mapa na mão fui me aventurar por todo este labirinto de beleza e barulho.

Sim, barulho, tanto das hordas de turistas que transformam a piazza San Marco em Ivete Sangallo no maracanã, quanto dos italianos que falam alto pra cacete. mas nada disso consegue tirar o encanto desta cidade.

Na Piazza di San Marco

Na Piazza di San Marco

Fui me embrenhando em cada beco, atravessei incontáveis pontes que não passa de três degraus pra subir, dois passos para cruzar e mais três degraus pra descer. mas tudo tem seu charme. e, é claro, o clímax fica por conta da piazza san marco, mais um sitio tombado como patrimônio da humanidade pela unesco que vai pra coleção. nela a basílica de são marco chama toda atenção com seus mármores coloridos e estatuas de bronze e ouro.

Espalhados pelos dois lados os chiques cafés com musica ao vivo tocada por quartetos de corda, ou pianistas ou mini orquestras, um luxo, mas que meu rico dinheirinho passou longe. alias a tentação do pecado da gula é enorme com sorvetes absurdamente deliciosos a cada 100 metros. pizzarias e trattorias de toda sorte e padarias e confeitarias que tem vitrines magnéticas aos olhos e ao olfato.

Até agora acho que estou resistindo bem, não comi massa na Itália ainda, provei dois sorvetinhos e comprei no mercado um saquinho de muzzarela fresca.

Voltando a Veneza é uma cidade que todos devem visitar por um dia pelo menos na vida. é um lugar onde a realidade não entra. tudo parece feito de sonhos, casais recém casados, famílias em férias, nenhum carro ou outro veiculo que não seja aquático e as gôndolas, que apesar de eu achar meio cafonas fazem parte da mitologia local e tem o seu charme.

para fotos encantadoras:

As gôndolas são características de Veneza, mas particularmente achei cafona

As gôndolas são características de Veneza, mas particularmente achei cafona

Itália

Anúncios

Ações

Information

One response

24 10 2009
San Marino: tão pequenininho com uma história tão grande! « O viajante possível

[…] tempo às vezes passa tão rápido quando se viaja que ainda em Veneza tive que sair correndo pelas ruas pra chegar a tempo de tomar o trem pra Rimini. foi digno de filme […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: