Missão Paraguay

27 03 2008
trecho do sítio arqueológico em Trinidad

trecho do sítio arqueológico em Trinidad

Como vocês acompanharam no blog minha primeira tentativa de entrar no Paraguai, não é surpresa que eu tenha tentado de novo, e desta vez consegui. O relato a seguir é verídico portanto analise bem antes de pensar visitar este nosso vizinho.

Calma, não se assustem com o que eu disse no parágrafo anterior, mas é que quem pensa em visitar a zona rural de Nova Iguaçu? Ou acha turístico fazer compras no Rio das Pedras?Pois então, o Paraguai concentra estas duas realidades. O Centro da cidade de Encarnacion parece o Rio das Pedras e o interior onde fui é a área mais erma da baixada fluminense.

Pra começar o ônibus que se pega pra cruzar a ponte internacional entre a Argentina e o Paraguai parece  mais o transporte de refugiados de guerra. Toda vez que para nas aduanas para o controle de entrada  ou saída é uma correria, como se fosse o único meio que existe para salvar a sua própria vida. É homem, mulher, criança, velho tudo correndo desesperado, se atropelando pra chegar no guichê da migração e não perder o ônibus, sim porque o motorista não fica esperando, dá uns três minutos e mete o pé. Quem fica pra trás tem que esperar o próximo. Mas aí está a questão: eles passam de cinco em cinco minutos e é só apresentar o boleto que não precisa pagar outra passagem, não sei porque fazem tanto tumulto.

a catedral, principal prédio da missão de Trinidad

a catedral, principal prédio da missão de Trinidad

Bom, depois quando se chega ao outro lado da ponte as ruas são de barro, só a rodovia e as principais são calçadas, isso faz com que a cidade toda seja suja de terra, poderia mudar de nome de Encarnacion para “Encardidón”, porque o povo todo é encardido, roupas, carros, até dentro dos lugares. E o pior o dinheiro é nojento. Primeiro que não vale nada, 1 real equivale a 2.500,00 guaranis, e as notas são imundas e rasgadas, parecem até que têm mais de 100 anos de circulação.

E justamente pra fazer câmbio do dinheiro não existe um lugar oficial, temos que trocar com cambistas no meio da rodoviária, péssimo. E lá no Paraguai parece que todo mundo quer tirar vantagem, a desonestidade é intrínseca na população. fomos comprar a passagem para Trinidad, onde ficam as ruínas das missões jesuíticas, e na caixa a moça disse 5 mil guaranis, no ônibus da mesma empresa o motorista queria 7 mil, ainda bem que já havíamos perguntado antes, pois quando o contestamos ele confirmou que era 5 mil.

De Encarnacion até Trinidad são 31 km, mas demora quase uma hora porque lá não existe sistema de transporte muito bem definido, então o busão que vai até Ciudad del Este serve como cata-mendigo pra todas as partes e foi num desses que embarcamos. No meio do nada havia uma placa que indicava o lado das ruínas. Caminhamos uns 15 minutos e lá estavam os restos mais bem conservados da maior missão guarani, Trinidad, é o patrimônio da humanidade tombado pela Unesco menos visitado do mundo, também que é que vai imaginar que tem uma coisa dessas no Paraguai. E realmente só eu, Anders e Soledad estávamos no parque arqueológico. O que foi muito bom.

o campanário (esq.) e as antigas oficinas

o campanário (esq.) e as antigas oficinas

Todas as ruínas estavam a nosso dispor para explorar, e aproveitei bem isso. Fui em tudo quanto é lado, subi onde era proibido, entrei na cripta e vi de perto os detalhes das obras. Impressionante, lá eles tinham até um sistema de calefação  e sauna. A Igreja Principal é impressionante com as estátuas e detalhes arquitetônicos. Fiquei admirado com a qualidade do trabalho artesanal na formação arquitetônica.

O sítio é grande, as ruínas são lindas, mas uns 40 minutos são suficientes pra ver tudo então decidimos voltar. E aí tínhamos uma façanha difícil pela frente, pois não havia terminal ou ponto final pra pegarmos o busão, somente uma parada na estrada no meio do mato, e toda hora passando caminhões, carros e motos sem placa, e os ônibus que passavam não paravam, e eu até ficava grato pois tinha medo de pegar tétano neles.

Até que um parou, e estava cheio, fomos em pé a maior parte do tempo sujando as mãos na terra acumulada em todas as partes internas do coletivo. De volta a Encarnacion tentei procurar um lanche mas era difícil por dois motivos, a língua que eles falam lá é guarani, ou espanhol misturado com guarani, não entendia p&%$&/$”orra nenhuma, e o aspecto das coisas também não eram nada convidativo. Quando já tinha desistido, e esperava o transporte de volta para Posadas veio um tiozinho vendendo chipas, uma espécie de pão de queijo daqui, que até é bom, quando estão frescas, mas as que comprei poderia ser chamadas de sola de sapato sabor queijo, um exercício de musculação para a mandíbula.

Voltamos sem maiores problemas e dei graças a deus de ter saído daquele fim de mundo, se  bem que no Paraguai tem muitas casas boas, bem bonitas mesmo e uns carrões, pois o povo é muito pobre, mas quem tem dinheiro, tem muito.

Agora de volta a posadas alugamos uns filmes pra mais tarde e eu vim aqui contar como foi o dia. Em breve estarei de volta!

par 48

transporte coletivo e colorido

Anúncios

Ações

Information

4 responses

28 03 2008
juninho

Rogério, estou te escrevendo para dizer que em breve te escreverei algo maior que este comentário, isto proque estou as voltas com minha monografia, mas tenho lido seu blog com frequência e refletido bastante com o meu “eu” viajante… Bem esses ensaios vão ficar para um próximo tópico. Hasta!

28 03 2008
juninho

Não neste tópico mas sim no próximo que virá… para quem não tinha lido nada meu durante a viagem toda, você ganhou dos novos posts numa tacada só! Felicidades meu amigo andante por terras (nem) tão longínquas!!!

28 03 2008
Renan

Tá parecendo até uma bolinha de futebol….

tá pesando 100 e quanto?

|_|

27 10 2009
Finge que vai, mas não vai « O viajante possível

[…] acordamos com a intenção de visitar as ruínas das missões jesuíticas no Paraguai, que fica à uma hora daqui. Tomamos o ônibus internacional, por R$1,50, pois Posada é fronteira […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: