Montevideo querida!

15 02 2008
uru 85

O Centenário de Montevidéu

Quinta-feira, Montevidéu aos meus pés, muita coisa pra ver e muitos quilômetros por caminhar. Depois de um desayuno meio fajuto do albergue, um suco de laranja, um pan com queso y media manzana, encontrei Carol e Rafael já lá dentro do Che Lagarto e saímos para nossa jornada.

Depois de uma hora na lan, a mesma que estou agora, fomos procurar o Citibank para que eu pudesse sacar una plata… andamos até a única agencia e adivinhem, só abria as 13h, ainda faltavam uns 40min. andamos mais uma quadra na mesma calle Cerritos e encontramos o magnífico prédio do Banco de La Republica, o bicho é muito grande e belíssimo. Andamos mais um pouquinho e voltamos pra esperar o Citibank abrir. Bom, as 13h em ponto os portões liberaram a passagem e fui lá todo animado a fazer meu primeiro saque internacional. chegando na caixa a moça falou que aquela agencia só atendia clientes do Uruguai… gelei. Fui falar com a gerente de contas… Também disse que não podia acessar a  minha conta… mas felizmente outros bancos com a rede cirrus poderiam me salvar…

Então, como ironia do destino, o Banco da Republica, quando resolvemos dar uma olhadinha pra ver como era por dentro, tinha o bendito caixa com a rede cirrus e meus problemas acabaram. O banco realmente impressiona por dentro e por fora. dinheiro na carteira, fomos atrás do Buffet Atlantida, onde é tudo liberado.

Seguimos pela Sarandí de volta até a Plaza Independência, passamos por uma simpática feira de antiguidades e alcançamos a Calle San José onde fica o restaurante indicado pelo guia de viagens. Alguns metros pela calle e vimos um pouco da pobreza aqui do Uruguai, que as vezes se esconde em locais meio esquisitos. Em plena calle San José um prédio que com certeza está interditado pela defesa civil, estava ¨decorado¨ com varais de roupa e umas paredes de papelão, bem triste, mas é a vida, seja no Rio, Montevidéu ou NY veremos este tipo de situação.

uru 101

Praia de Pocitos em Montevidéu

finalmente chegamos ao Buffet Atlantida, mas não fomos somente por constar no guia, o maior atrativo era o que vinha escrito na entrada – tenedor libre – o que significa coma até sair pelos ouvidos. Comi umas coisas diferentes como rabanetas, um bolinho verde meio sem gosto que não descobri o nome, umas chips de batata doce, e maçã à milanesa. ainda tinha direito a sobremesa, mas deixei pra próxima.

Descendo mais um pouco na Calle San José viramos em uma esquina qualquer e descobrimos um tesouro que na está no guia turístico, e aliás nem os moradores parecem freqüentar muito, não sei se foi o horário, mas a Iglesia do Sagrado Corazón vale muito a pena ir visitar. Afrescos enormes, altares suntuosos e um nave gigante! e  o curioso é o cartaz avisando para que se desliguem os celulares, tenho a foto, só vendo pra saber.

Satisfeitos, alimentados e espiritualizados era hora de conhecer um dos mais famosos pontos das cidade, o Estádio Centenário, construído para a primeira copa do mundo. Pegamos o 71 e fomos até a Avenida Itália e descemos no parque em frente ao estádio. Ao chegar lá me passou um filme na cabeça imaginando como deveria ter sido naquela época, e como hoje os uruguaios torcem por lá. Infelizmente vai ficar só pela imaginação por enquanto porque os dois times daqui na libertadores jogaram fora de casa e não teve partida nenhuma durante minhas estadia.

uru 100

No El Pônei Pisador

Entramos no museu do futebol, passagem obrigatória para quem quer ver o estádio por dentro. O museu em si não é nada de mais, até porque o futebol uruguaio já não dá mais no couro há tempos e o museu fica quase que restrito ao bicampeonato mundial. Mas a melhor parte é ir nas arquibancadas do Centenário. Naquele encontro com o gigante eu me arrepiei e confesso que meus olhos marejaram, pois a paixão pelo futebol falou mais alto. O estádio emana emoção, embora esteja mal conservado, mas a história pesa. E no alto à esquerda uma faixa com as pretensões uruguaias de sediar a copa de 2030, no centenário da primeira! acho ainda um pouco difícil, mas eles tem garra para isso.

Após muitas emoções no Centenário fomos a la playa, detalhe já eram 18h30, mas o sol estava bem alto ainda. Chegamos em Pocitos e a praia ainda bombava. Muita gente bonita e uma arena armada rolava um torneio de beach soccer. Vimos a Argentina ganha do Uruguai, fizemos amizade com Gusmán, que é da segurança do evento e foi criado no Brasil, ele torce pelo flamengo e eu com a camisa despertei a curiosidade, então batemos um papo vendo a pelada, pq os dois times são bem fraquinhos, e ainda nos descolou bonés de brinde! Demos uma caminhada pela beira d’água e só molhei os pés, o que foi uma pena pois a água estava boa.

Saímos de praia por volta das 20h30, diga-se de passagem e voltamos à Ciudad Vieja. Descemos em frente a filial da primeira lanchonete que fomos quando chegamos, Il Mondo da Pizza e eu fui provar a famosa pizza uruguaia, e é muito boa. comi uma com azeitona, cebola e muzzarela. O diferente é que o queijo vai por cima de tudo, ao contrário do que a gente encontra no Brasil. e dependendo do tamanho que pedir a pizza vem meio que retangular, mas é muito gostosa mesmo.

A noite a opção foi ir ao El Pônei Pisador, referencia ao Pônei Saltador do Senhor dos Anéis. O bar é muito animado e tivemos a sorte de ir no dia em que a música ao vivo era brasileira com a banda”Além da Fronteira”, foi legal e engraçado ver eles cantando Paralamas, Cássia Eller, Lulu Santos e outros com um sotaque… Ah, e finalmente provei o Pisco Sauer, Marquinho, caro primo, você tinha razão, o bagulho é bom, sem ser muito forte.

uru 97

transporte coletivo uruguaio

Essa foi até aqui minhas aventuras no Uruguai. Quero agradecer a todos amigos e família pelas mensagens, sinto a falta de vocês, pq seria mais divertido se vocês estivessem por aqui compartilhando comigo, mas estas palavras são extensões de mim que alcançaram vocês onde estiverem. Preciso conhecer mundo, mas nunca estarei longe. Beijos e abraços a todos.

Anúncios

Ações

Information

3 responses

15 02 2008
jucema

Oi Ro
a cada dia eu fico ansiosa para assistir aos últimos capítulos, rs
parece que estou viajando junto, to adorando a narrativa
achei Montevideo lindo e tb to doida p conhecer
é suco de que? o da foto
hoje vou a feira dos paraíbas com o pessoal do trabalho e tambem com o Ricardo, legal né? só falta voce
saudades
bjkarinhosa
dinda

30 10 2009
Punta Del Este, onde mora o pecado « O viajante possível

[…] de Montevidéu por volta das 13h45 em direção a Punta, são mais ou menos duas horas de viagem no meio de […]

31 10 2009
A caminho do Sul « O viajante possível

[…] o primeiro albergue da travessia, Che Lagarto, fica na Plaza Independência, centro histórico de Montevidéu. Mas antes mesmo de ultrapassar a fronteira farei uma escala que é muito importante pra mim: São […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: